A definição da plataforma de e-commerce que será adotada é fundamental para que haja consolidação da estratégia digital da empresa, estabilidade das vendas e chances de crescimento da marca na internet. Assim, essa escolha é determinante no sucesso da loja virtual.

Devido à importância dessa decisão ela deve ser tomada com bastante cautela, tanto se a empresa estiver investindo pela primeira vez em vendas online quanto se planeja uma reformulação da estratégia. A seguir, abordaremos alguns dos cuidados que devem ser tomados na escolha da plataforma e no processo de migração.

Como planejar a migração da plataforma de e-commerce?

A escolha da plataforma deve ser realizada considerando as necessidades do negócio no momento e os objetivos de crescimento da marca. Portanto, a maturidade, o segmento e as estratégias da empresa devem ser ponderados para uma decisão mais acertada.

Por que mudar de plataforma?

Uma situação bastante comum é que a empresa já tenha um investimento no digital, mas percebe que a plataforma utilizada está sendo insuficiente ou limitando as oportunidades. Alguns indícios de que chegou a hora de buscar uma nova parceira são:

  • indisponibilidade de funcionalidades na plataforma atual;

  • inviabilidade de ações, como executar uma promoção diferenciada;

  • estagnação do e-commerce, impossibilitando o aumento das vendas e melhorias;

  • falta de suporte da plataforma ao crescimento de acessos;

  • restrições ao adotar estratégias que valorizem a experiência do usuário.

Essas situações indicam que a plataforma deixou de atender às necessidades da marca e é preciso mudar a estratégia para que o crescimento seja retomado. Nessas condições, a migração torna-se fundamental para que a empresa seja novamente competitiva e relevante para os clientes.

Como escolher a nova plataforma?

Tanto a primeira plataforma quanto uma nova devem ser escolhidas considerando alguns critérios. Como afirmamos, é fundamental ter em mente o momento da empresa, o que inclui a importância dada ao e-commerce, o volume de vendas, a expectativa de crescimento etc. Outros fatores, entretanto, são mais técnicos. Destacamos alguns a seguir!

Funcionalidades

As funcionalidades disponíveis em uma plataforma são determinantes na capacidade da empresa de executar estratégias digitais. Sendo, assim, um dos aspectos mais importantes de serem avaliados.

Além de analisar se as funções atendem as demandas atuais do negócio, é relevante que o gestor considere a capacidade de renovação da parceira, como inclusão de novas soluções e suporte em caso de aumento do fluxo de vendas.

User Experience

A experiência do usuário é também uma questão central, pois ela impacta diretamente a jornada de compra do cliente, a usabilidade do site e as vendas. Se a plataforma não tiver uma estrutura que viabilize a UX, dificilmente as alterações promovidas posteriormente pela empresa darão conta totalmente dessa demanda, limitando a capacidade de promover uma boa navegação.

Flexibilidade

É fundamental que a plataforma ofereça flexibilidade para que o e-commerce faça as mudanças necessárias em layout, nas funcionalidades disponíveis e na estrutura de informação das páginas, permitindo que a identidade da marca seja refletida no site.

Também deve-se considerar as integrações disponibilizadas, por exemplo, com marketplaces, meios de pagamento, OMS, ERP e outras estruturas que sejam importantes para a gestão do e-commerce.

Cases de sucesso

Outra dica importante é avaliar se a plataforma possui cases de sucesso que demonstrem a efetividade da solução. Analise, por exemplo, se há empresas do mesmo segmento que o seu, a metodologia de trabalho adotada, se o servidor é estável, entre outros aspectos.

É muito importante contar com uma plataforma de e-commerce que seja reconhecida no mercado. Algumas das mais conhecidas são a VTEX, Magento e a Oracle, sendo que a indicação de cada uma depende dos interesses da empresa. Se possível, antes de fechar o contrato, converse com gestores que tiveram experiência alguma delas para saber como foi.

Por que contratar uma agência especializada?

Devido à importância da definição da plataforma de e-commerce que será usada, é bastante indicado que empresas de diferentes segmentos contem com o suporte de uma agência especializada, que tenha know how na área e auxilie tanto na escolha da parceria mais adequada quanto na implementação e evolução do projeto.

Com a experiência na área a agência pode contribuir em diferentes etapas desse processo. Inicialmente, é feita a análise do projeto, considerando os requisitos desejados pelo cliente, o orçamento disponível e a avaliação do site atual, seja para migrar adotando o mesmo projeto ou para desenvolver um novo. A partir disso pode ser considerada uma plataforma que o cliente já tenha selecionado ou é feita a indicação a partir das questões levantadas.

Em um segundo momento, quando ocorre a reformulação do projeto, focando sempre na usabilidade e experiência do cliente, o suporte é direcionado para a etapa de design, criação e aprovação de telas, desenvolvimento, implantação, cadastro de clientes e configurações gerais, como de precificação, estoque, logística etc.

Há ainda o apoio na fase de planejamento e migração da plataforma que é bastante importante e exige cautela. A estratégia dessa etapa deve prever possíveis riscos e indicar protocolos que devem ser seguidos caso haja problemas — pois o processo pode ser 100% eficaz desde o primeiro momento ou pode apresentar desafios que exigem ajustes.

Devido o apoio necessário em todas essas etapas, contratar uma agência para assessorar a migração de plataforma é fundamental. Na escolha dessa parceira também é importante que a empresa avalie a familiaridade da consultora com o segmento, os cases de sucesso, as experiências com o processo na plataforma escolhida e outros aspectos.

Como executar a mudança de plataforma?

Se você já definiu que precisa mesmo mudar de plataforma, decidiu qual atende melhor as necessidades da empresa e já conta como uma agência como parceira para esse projeto, está na hora de planejar a migração e todo cuidado é necessário.

O primeiro aspecto é definir qual o melhor momento para essa fase do projeto. Não é indicado, por exemplo, fazer a migração perto de um período com alta das vendas, como a Black Friday, Natal ou outra data similar. 

Dê preferência para um período de baixa nas vendas e que viabilize alguns meses de adaptação até um pico importante do comércio para que ajustes sejam realizados e a equipe esteja mais acostumada com a solução.

A realização do redirect 301 também é fundamental, pois permite que o novo e-commerce mantenha a relevância do anterior na busca orgânica do Google. Também é muito importante um cuidado especial com a fase de adaptação da nova plataforma, com treinamentos e trocas entre a equipe, garantindo o aprendizado de como trabalhar e usufruir das vantagens da nova fornecedora.

Levando em consideração essas dicas é possível ter uma migração com menos riscos, no entanto, não existe uma fórmula mágica. Unindo a escolha da plataforma de e-commerce mais adequada para o momento da empresa, a experiência de uma agência especializada e uma estratégia de migração alinhada às chances de sucesso são grandes.

Acredita que está na hora de investir na migração da plataforma do seu e-commerce? Converse com nossa equipe de especialistas e saiba mais!

Profit-e
Escrito por Profit-e