A taxa de conversão é um dos aspectos mais importantes de serem monitorados no e-commerce, sendo um indicativo se as estratégias da empresa estão sendo eficazes ou não.

Segundo uma pesquisa do Sebrae Nacional com o E-commerce Brasil, a taxa de conversão média no e-commerce brasileiro é de aproximadamente 1,5%. Quando comparado ao cenário norte-americano, no qual essa taxa é de cerca de 2,7%, verifica-se o quanto o mercado nacional ainda tem potencial para melhorar.

A taxa de conversão depende de diversos fatores, desde o design até a programação do site. Para calcular essa métrica basta dividir o número de acessos únicos do período pela quantidade de vendas. Saiba mais a seguir!

Como aumentar a taxa de conversão no e-commerce?

O monitoramento dessa métrica ajuda o lojista a identificar aspectos que podem ser melhorados na experiência de compra do usuário, aumentando as chances de fechamento do negócio e elevação das vendas.

Conhecendo o que é a taxa de conversão e o potencial de melhora quando comparado com o cenário externo, identificamos 7 dicas que podem ser adotadas na estratégia da loja virtual para melhorar os resultados. Confira!

1. Aumente a velocidade do site

De acordo com dados do Google, o tempo de carregamento de uma página pode variar entre 0,5 e 2 segundos. Sendo que, caso ela não carregue completamente até esse máximo, a tendência é de que o comprador abandone o site, de acordo com a Akamai.

Dessa forma, é relevante que um dos aspectos centrais a serem monitorados pela equipe é o tempo de carregamento das páginas do site. Faça as otimizações necessárias para que a velocidade seja melhor e que o cliente fique satisfeito com esse primeiro fator.

É importante ainda verificar quais estratégias podem ser adotadas para que o tempo de carregamento mobile não fique atrás. Atualmente, uma boa prática relacionada ao desenvolvimento é o mobile first, que permite reduzir a poluição visual e elementos mais pesados, otimizando o desempenho.

2. Invista em otimizações para os mecanismos de busca (SEO)

O SEO — otimização para mecanismos de busca — é uma estratégia pela qual o e-commerce busca por posicionamento orgânico nas ferramentas de busca. Essa prática ajuda que mais usuários encontrem o site, aumentando o número de visitantes únicos.

Um aspecto central do SEO é que, para que ele seja efetivo, diversas práticas devem ser desenvolvidas tanto no on-page quanto no off-page, como:

  • produção de conteúdos ricos e inéditos;
  • definição e uso de palavras-chave;
  • boas descrições de produtos e títulos de página;
  • imagens otimizadas em todo o site;
  • backlinks em sites parceiros para elevar a autoridade.

A estratégia de SEO é uma das mais importantes do universo digital, isso porque ela está associada à relevância e autoridade do domínio, auxiliando em uma consolidação de longo prazo da marca.

3. Categorize os produtos

No e-commerce, o consumidor não tem acesso direto ao produto, o que exige a formulação de estratégias para que ele possa encontrar e compreender as características do que está sendo exibido.

Assim, a categorização e descrição funcionam com o objetivo de passar credibilidade e permitem que o consumidor avalie se aquele produto realmente atende às demandas dele com a compra.

Para categorizar as mercadorias, é preciso seguir uma hierarquia clara, facilitando a busca; ser específico nas subcategorias e monitorar a usabilidade para verificar se as categorias estão proporcionando mais dinamismo na navegação.

Já para enriquecer a descrição, é necessário atentar-se aos detalhes do produto, criando uma narrativa que apresente as vantagens e diferenciais daquele item. Além disso, não se esqueça das informações técnicas.

4. Melhore a experiência do usuário

A experiência do usuário, também chamada de UX, envolve todos os elementos da interação em uma interface digital. Além de ser responsável pela facilidade de navegação, com o usuário encontrando facilmente o que procura, ela também está relacionada aos sentimentos proporcionados durante esse percurso.

Dessa forma, uma boa UX está diretamente ligada às chances de retenção e fidelização dos clientes. Para melhorar a experiência do usuário, o primeiro passo é conhecer quais os problemas e dificuldades da página e, posteriormente, desenvolver uma arquitetura do site que seja funcional, tenha um design limpo e atrativo, bem como uma navegação simplificada.

Além dos aspectos estruturais do site, lembre-se de que a experiência está relacionada ao cliente sentir-se confortável, atraído e satisfeito com o processo, sendo que isso depende também de boas imagens, textos interessantes, clareza nas informações, entre outros.

5. Reduza as etapas de compra

O cliente que sente dificuldades em finalizar a compra tende a abandonar o carrinho, e um dos fatores relacionados a essa prática é o excesso de etapas para que ele possa concluir o pedido.

Assim, o checkout deve ser transparente e intuitivo, apenas com as etapas necessárias à conclusão da compra. Qualquer questão adicional pode ser deixada para outro momento a fim de não confundir ou estressar o consumidor nesse momento fundamental.

Dessa forma, as únicas informações dessa etapa deve ser o detalhamento da compra, com custos adicionais, como frete, endereço de entrega e dados do pagamento. Opções como compra em um clique e armazenamento de dados do cartão para compras futuras são estratégias para reduzir os processos em um momento posterior.

6. Faça testes A/B

Nas vendas online, um diferencial é a possibilidade de testar as estratégias com o objetivo de torná-las mais assertivas. Assim, os testes A/B consolidam-se como uma prática essencial para melhorar a experiência do cliente e a taxa de conversão no e-commerce.

O indicado é criar páginas com elementos distintos identificados a partir do monitoramento do comportamento do consumidor. Os testes A/B expandem as chances do negócio, mas, para serem mais efetivos, é importante que sejam fruto de análises e estudos prévios.

Assim, é possível identificar elementos que contribuam na decisão de compra do consumidor, como dar destaque para a opção de parcelamento, colocar um call to action mais próximo da oferta, entre outros.

7. Conte com a ajuda de uma empresa especializada

Com o aumento da competitividade na internet, pode ocorrer uma queda da taxa de conversão, exigindo estratégias profissionais e seguramente eficientes. Dessa forma, uma opção para melhorar os resultados em vendas é optar pela parceria com uma empresa especializada.

Devido à experiência e conhecimento na área, a empresa é capaz de auxiliar na construção de estratégias mais eficazes para o segmento, viabilizando a evolução do e-commerce, a melhora dos resultados e a consolidação da marca. Para isso, é preciso definir uma parceira que pense na estratégia de mercado como um todo e não apenas em questões pontuais da loja virtual.

Concluímos assim que a taxa de conversão no e-commerce é influenciada por uma série de boas práticas. Para ter sucesso, é preciso pensá-las estrategicamente, alinhando as soluções de acordo com as preferências do público-alvo e o monitoramento constante do desempenho do e-commerce.

Gostou deste conteúdo e quer saber mais como desenvolver uma estratégia completa focada no aumento da taxa de conversão da loja virtual? Converse com nosso time de especialistas agora mesmo!

Profit-e
Escrito por Profit-e